Rua José Bonifácio, 663 - Sala 202 | Olaria | Cep 76.801-230 | Porto Velho - RO
Seg-Sex: 08:00 - 12:00-14:00 - 18:00

Definição
Consiste na separação entre a retina sensorial (que contem as células
responsáveis por captar a luz) e o epitélio pigmentado da retina. Como
a captação luminosa ocorre de maneira parcial, a visão pode ficar
severamente comprometida.

Classificação
1- Regmatogênico: quando há rotura na retina, provocada pela tração
do vítreo (“gelatina” que preenche o olho);
2- Tracional: Geralmente ocorre nas vasculopatias, como diabetes e
prematuridade;
3- Exsudativo: Secundários a doenças auto-imunes, eclâmpsia,
hipertensão arterial maligna, tumores de coróide.
Neste artigo daremos ênfase ao DR regmatogênico, também chamado
idiopático (sem causa aparente), sendo o mais comum a acometer os
indivíduos de uma maneira geral.

Epidemiologia

Estudos estimam incidência anual de 1/10.000, ou seja, ocorre em
uma a cada dez mil pessoas em um ano. Considerando uma
expectativa de vida de 75 anos, a prevalência de DR na população é
em torno de 0,7%. Entretanto ela aumenta em alguns grupos
populacionais, por exemplo: até 3% em olhos traumatizados ou
previamente submetidos à cirurgia de catarata; até 10% no olho
contralateral de pacientes que já apresentaram DR.Importante: 40%

de todos os casos de DR ocorrem em pacientes míopes. Daí a
importância do exame periódico da retina com o oftalmologista.

Diagnóstico

O paciente pode se queixar de surgimento súbito ou aumento de
moscas volantes, flashes de luz (“relâmpagos”), perda do campo
visual, e diminuição da acuidade visual. O oftalmologista realiza o
exame do fundo de olho, com necessidade de dilatação pupilar,
podendo documentar com ultrassonografia, e retinografia.

Tratamento

Quando há somente rasgo, ainda sem descolamento, pode ser
realizada a fotocoagulação / laser para prevenir o DR. Ao ocorrer
descolamento da retina, o tratamento é cirúrgico. Nos estágios iniciais
pode ser utilizada uma faixa de silicone ao redor da esclera (“branco
do olho”), injeção de gás, e aplicação de laser. Porém, nos casos mais
avançados indicamos a vitrectomia posterior, cirurgia que consiste na
remoção do vítreo, aplicação de endolaser, e colocação de gás ou
silicone para preencher o interior do globo.

Prognóstico

Quanto mais rápido o paciente for tratado, menor o risco de
cegueira, ou seja, o descolamento de retina pode ser considerado
uma urgência oftalmológica, pois tem um alto potencial cegante,
principalmente nos casos de demora na conduta.

Mais de 90% dos casos apresentam um bom resultado
anatômico, ou seja, consegue ter a retina no lugar novamente, se
forem adequada e prontamente tratados. Mais de 80% dos
pacientes evoluem com melhora da visão.